A Apple irá deslocar a produção para fora da China 🔌📱

08:50 5 de dezembro de 2022

Nas últimas semanas, a Apple acelerou os planos de transferir parte do seu fabrico para fora da China. Há muito que o Reino do Meio tem dominado a cadeia de abastecimento do gigante de Silicon Valley. Confrontada com problemas na sua enorme fábrica de Zhengzhou, a empresa enfrenta a perspectiva de criar uma nova 'Cidade do iPhone':

  • Os protestos nas cidades chinesas nessa semana abundaram com slogans apelando ao derrube do Presidente Xi Jinping, levantando especulações em torno da criação de um movimento anti-governamental mais amplo na China. Além disso, a crise veio no auge de mais de 5 anos de tensões militares e económicas entre os EUA e a China, alimentando os receios de "crise" da Apple;
  • Os Estados Unidos continuam a impor restrições aos bens chineses, dando particular ênfase aos semicondutores avançados, cuja falta deveria eventualmente ser sentida pela economia chinesa e pelo desenvolvimento da tecnologia chinesa. Um inquérito realizado este ano pelo U.S - China Business Council constatou que a confiança das empresas americanas na China caiu para níveis mínimos históricos, com 1/4 dos inquiridos a dizerem que iriam transferir temporariamente parte da sua cadeia de abastecimento para fora da China em 2022;
  • Confirmado pelo Wall Street Journal, a agitação civil em Zhengzhou, uma cidade conhecida através da sua enorme fábrica de montagem de iPhone como Cidade do iPhone ajudou potencialmente a alimentar a mudança há muito esperada da Apple. A certa altura da história da Apple, 85% de todos os iPhone Pro foram montados na fábrica, com cerca de 300.000 pessoas a trabalhar ainda hoje no local;
  • Embora as autoridades chinesas se tenham curvado a ondas de agitação e abandonado a face mais radical da política de Covid zero. No entanto, o país governado por Xi ainda levanta bastantes factores de risco para os fabricantes americanos. A Apple anunciou em meados de Novembro que os carregamentos do iPhone Pro seriam prolongados por restrições em Zhengzhou. Os prazos de entrega dos novos smartphones da Apple já subiram para máximos de 15 anos;

"No passado, as pessoas não prestavam atenção ao risco de concentração (...) O comércio livre era a norma e as coisas eram muito previsíveis. Agora entrámos num novo mundo" comentou Alan Yeung, um antigo membro da direcção dos EUA da Foxconn de Taiwan, a empresa que gere as fábricas de Zhengzhou da Apple e um dos principais intermediários no mercado chinês da Apple.

Comece a investir hoje ou teste gratuitamente uma conta demo

Abrir Conta Real Teste a DEMO Download mobile app Download mobile app
  • Os problemas causados por restrições pandémicas e escassez de fornecimento de energia são enfrentados não só pela Apple mas também por empresas chinesas como a Luxshare Precision Industry e a Wingtech Technology, que também querem procurar diversificar as fontes de produção;
  • Por outro lado, locais como a Índia e o Vietname podem criar problemas inesperados devido à deslocalização de toda a cadeia de abastecimento. O abrandamento da economia global e o abrandamento das contratações da Apple podem dificultar ao gigante a designação de pessoal especializado para trabalhar com fornecedores novinhos em folha, em novos países.

"Encontrar todas as peças para construir a escala que a Apple necessita não é fácil", salientou Kate Whitehead, antiga chefe de operações da Apple. Historicamente, o governo de Pequim e as autoridades locais têm apoiado as operações da empresa, vendo-a como um motor da economia e do mercado de trabalho. De acordo com o WSJ, o apoio permanece forte, apesar da fricção EUA-China. Até o populista 'People's Daily' elogiou a fábrica da Apple em Zhengzhou num vídeo recente:

"A assistência atempada do governo ... dá constantemente segurança a empresas multinacionais como a Apple, bem como à cadeia de fornecimento global".

  • O relatório do diário salientava também que a empresa é directa e indirectamente responsável por quase 1 milhão de postos de trabalho. Segundo os think tanks estatais chineses, o grupo intermediário Foxconn da Apple representava quase 4% das exportações da China em 2021.  Contudo, o mercado de trabalho chinês está a tornar-se cada vez mais competitivo e menos atractivo para a Apple em comparação com outros locais asiáticos. As exigências salariais dos trabalhadores chineses continuam a aumentar e, juntamente com as restrições à cobiça, têm sido uma das causas de crescente agitação entre os trabalhadores da fábrica de Zhengzhou.
  • De acordo com os analistas de Wedbush, a política de covid da China até agora tem sido um enorme golpe para a cadeia de fornecimento da Apple, e Novembro mostrou finalmente a fraqueza da produção concentrada no Reino do Meio. As remessas de iPhone do quarto trimestre deverão atingir cerca de 70 a 75 milhões de unidades, quase 10 milhões a menos do que o previsto antes da agitação de Zhengzhou. Particularmente afectados, é claro, seriam os últimos modelos do iPhone 14 Pro e Pro Max. Embora o governo chinês já tenha levantado algumas das restrições, uma fábrica chave só começará a funcionar com 30 a 40% de emprego provavelmente no próximo mês. Um executivo da Foxconn indicou que centenas de trabalhadores foram mobilizados para enviar imediatamente componentes e maquinaria para uma fábrica a 1.000 quilómetros de distância em Shenhzen para 'colmatar' parte da lacuna de produção. 

Não há nenhum cenário perfeito até agora

Os potenciais novos locais para a fábrica de produtos da Apple em consideração são principalmente a Índia e o Vietname. É provável que a empresa evite Taiwan, que poderia ser uma escolha potencial em condições padrão. No entanto, actualmente, o atrito entre Washington e Pequim levanta riscos geopolíticos difíceis no Estreito de Taiwan. O objectivo a longo prazo da Apple é produzir mais de 40% dos seus iPhones na Índia, em comparação com apenas um dígito actualmente, segundo a TF International Securities, que segue a cadeia de fornecimento. O Vietname, por sua vez, passaria a produzir outros dispositivos tais como MacBooks, AirPods e smartwatches. De acordo com analistas e pessoas ligadas à cadeia de fornecimento da Apple citada pelo WSJ, a empresa já não se sente confortável com um poderoso centro de produção na China, que já não é visto como um ambiente de negócios estável e previsível para entidades estrangeiras.

No entanto, a relação comercial entre a Apple e a China tem vindo a decorrer há décadas, e é difícil esperar que a transferência da produção decorra sem problemas. A Apple ainda quer revelar novos modelos de aparelhos todos os anos, pelo que a mudança de produção é um pouco como a manutenção de um avião em voo. O antigo director da Foxconn Dan Panzica salientou que enquanto a capacidade de produção do Vietname está a crescer, a região ainda sofre de um problema de fornecimento de mão-de-obra devido em parte à sua população menor do que a chinesa. A localização da fábrica da Apple no Vietname praticamente impede uma escala comparável à da fábrica de Zhengzhou, complicando assim a cadeia de abastecimento. A Índia, por outro lado, não tem uma política governamental previsível para lidar com empresas estrangeiras, e a Apple receia ser sobrecarregada com responsabilidades por parte das autoridades locais. A empresa enfrenta o formidável desafio de construir uma nova 'Cidade iPhone' de satélite, fábricas mais pequenas ligadas por uma nova logística e cadeia de abastecimento.

Apple (AAPL.US) gráfico D1. As acções da empresa continuam a ser negociadas abaixo da média das 200 períodos (linha vermelha). Do ponto de vista da análise técnica, podemos ver que ambas as médias móveis SMA200 e SMA100 (linha preta) estão a dar sinais de "death cross" o que pode anunciar um novo sell-off no preço das ações. Fonte: xStation

Partilhar:
Voltar

Forex e CFDs são produtos alavancados e podem resultar em perdas que excedem seus depósitos. Por favor, certifique-se de entender completamente todos os riscos. Esta página não foi criada para investidores residentes no Brasil. Esta corretora não é autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários ("CVM"), mas é regulada por supervisores fora do Brasil. O conteúdo desta página não é caracterizado como uma oferta de investimento no Brasil ou para investidores residentes nesse país.

As perdas podem exceder os depósitos