🛢Limite aos preços do petróleo russo

08:31 5 de dezembro de 2022

A UE e os países do G7 decidiram implementar um limite de preços para o petróleo russo, enquanto que a OPEP+ deixou a produção inalterada. Será que o petróleo irá surpreender os investidores este ano?

Preço máximo para o petróleo russo

A UE e os países do G7 decidiram implementar um limite de preços para as exportações de petróleo russo por via marítima. O que significa isto, pelo menos em teoria? Os países terceiros poderão utilizar uma frota de petroleiros registados no G7 e na UE e tirar partido dos contratos de seguro apenas se enviarem petróleo russo comprado por 60 dólares por barril ou menos. O acordo sobre o preço máximo deverá ser revisto a cada 2 meses para assegurar que o preço máximo se mantenha a um nível pelo menos 5% inferior ao preço médio de mercado do crude russo. Alguns países, como por exemplo a Polónia, queriam que o preço máximo fosse ainda mais baixo - tão baixo quanto $20-30 por barril - mas os Estados Unidos não chegaram a acordo para não criar uma lacuna demasiado grande no mercado petrolífero.

Comece a investir hoje ou teste gratuitamente uma conta demo

Abrir Conta Real Teste a DEMO Download mobile app Download mobile app

O que é que isso significa na prática? Actualmente, não muito. O petróleo russo de referência Urals está actualmente a ser comercializado a níveis abaixo do limite de preços. Além disso, a Rússia também pode utilizar a sua própria frota de petroleiros para transportar petróleo, o que lhe permitiria contornar completamente as sanções. Há também uma grande probabilidade de que sejam implementadas formas mais criativas de contornar as sanções, como foi o caso no início deste ano em alguns países europeus.

A Rússia já está a vender petróleo dos Urais a um preço inferior ao limite de preço ocidental. Fonte: Bloomberg, Argus Media

Embargo ao petróleo russo

É também notar que para além da introdução de um limite de preços para o petróleo russo, hoje também marca a introdução do embargo da UE ao petróleo russo. Enquanto as importações de petróleo russo para a UE caíram para apenas 1,0-1,5 milhões de barris por dia, a UE terá ainda de encontrar um vendedor alternativo para este fornecimento. O embargo aos derivados do petróleo, que deverá entrar em vigor a 5 de Fevereiro, será uma questão muito maior para a Europa. Este embargo verá uma paragem total das importações de derivados do petróleo, incluindo o gasóleo, que a Europa está a assistir a uma escassez.

Qual será a resposta russa?

A Rússia disse que não planeia vender petróleo a países que aplicam o limite de preços ocidental e disse que irá reduzir a produção de petróleo se o fizer também. É de notar que a falta de tecnologia ocidental levaria provavelmente a uma queda na produção petrolífera russa de qualquer forma. O cenário de base é que a oferta global de petróleo caia em 1,0-1,5 milhões de barris por dia nos próximos meses. O custo médio de produção na Rússia aumentou significativamente ao longo do último ano e está estimado em cerca de 50 dólares por barril actualmente. No entanto, o preço de equilíbrio orçamental é muito mais elevado. Além disso, mais de 50% do custo de produção é composto por impostos, pelo que é provável que o bem-estar financeiro da Rússia seja ainda mais afectado.

OPEC+ deixa os níveis de produção inalterados

A última decisão da OPEP+ não foi uma surpresa. Os produtores de petróleo decidiram deixar a produção inalterada, ficando a quota do grupo inteiro em cerca de 41,8 milhões de barris por dia. Contudo, como apenas poucos membros da OPEP+ conseguem produzir em linha com as quotas, a produção de toda a OPEP+ mantém-se ligeiramente acima dos 40 milhões de barris por dia.

Procura chinesa - continua a ser uma incerteza 

A incerteza relacionada com a economia global, especialmente as perspectivas para a China, levou a quedas significativas dos preços no mercado petrolífero em Novembro. A China é um líder mundial em termos de importações de petróleo, e a deterioração económica no país pode ter um enorme impacto nos preços do petróleo bruto. No entanto, como a China parece estar a atenuar as restrições da Covid em resposta a protestos em massa, a situação poderá melhorar. 

Por outro lado, o Departamento de Energia dos EUA está a suspender as vendas de reservas estratégicas de petróleo, com as reservas a situarem-se agora no nível mais baixo desde 1984! O DoE gostaria de começar a encher novamente os inventários, mas os actuais níveis de preços são vistos como ainda demasiado altos para o fazer.

As reservas de petróleo dos EUA caíram para o nível mais baixo desde 1984. O US DoE não quer mais lançamentos de inventário e está à procura de formas de reabastecer as reservas. Este é outro sinal de que o abastecimento no mercado petrolífero está a diminuir. Fonte: Bloomberg

O que podemos esperar dos preços?

Os preços do Brent estão a manter-se firmes na gama dos 85-90 dólares por barril. O risco de uma queda da procura na China diminuiu significativamente e não se pode excluir que surja uma lacuna de oferta no mercado, caso países terceiros implementem um limite de preços para o petróleo russo. Neste caso, a atenção será dada principalmente à China e à Índia. No entanto, espera-se que ambos os países encontrem formas de contornar as sanções sem atrair uma ira do Ocidente. O embargo aos derivados do petróleo, que deverá entrar em vigor no início de Fevereiro de 2023, será provavelmente a maior questão e a viragem de Janeiro e Fevereiro poderá ser um período de grande volatilidade nos preços do petróleo e da gasolina. Brent (OIL) atingiu novos mínimos este ano. No entanto, podemos ver um ressalto à medida que a incerteza sobre as facilidades de abastecimento e os confinamentos na China estão a ser levantados. No entanto, a volatilidade pode permanecer elevada nas próximas semanas. Fonte: xStation5

Partilhar:
Voltar

Forex e CFDs são produtos alavancados e podem resultar em perdas que excedem seus depósitos. Por favor, certifique-se de entender completamente todos os riscos. Esta página não foi criada para investidores residentes no Brasil. Esta corretora não é autorizada pela Comissão de Valores Mobiliários ("CVM"), mas é regulada por supervisores fora do Brasil. O conteúdo desta página não é caracterizado como uma oferta de investimento no Brasil ou para investidores residentes nesse país.

As perdas podem exceder os depósitos