Alerta de mercado: será que a Fed pode salvar o mercado altista?

11:23 5 de março de 2020

Os mercados adoram flexibilização monetária. É bastante consensual que o mercado em alta de 11 anos de Wall Street foi fortemente apoiado pelas medidas extraordinárias da Fed. Muitos começaram a acreditar que os bancos centrais conseguem resgatar os mercados de qualquer problema. Agora que o FOMC acaba de fazer um corte de emergência de 50 bps, a pergunta é mais urgente do que nunca: será que conseguem?

Fed em missão de salvamento

No último dia de negociação de fevereiro, a Fed emitiu uma declaração lacônica a dizer que a economia dos Estados Unidos estava em boas condições e que o Banco Mundial estava atento ao vírus. Na terça-feira, houve um corte de emergência de 50 pontos base (um movimento padrão é 25 pontos base). Essa é uma grande mudança de opinião em apenas alguns dias, e o mercado interpretou como sendo uma sugestão da Fed de que algo sério exigiu uma resposta séria. Normalmente, os mercados adoram relaxar. No ano passado, quando a Fed forneceu três cortes nas taxas e QE, num momento em que a desaceleração económica eram menor, esta manobra ajudou bastante as bolsas de valores. Não é de admirar que a primeira reação ao movimento de terça-feira tenha sido positiva. Mas e se o corte de emergência significar problemas no horizonte? Uma mudança tão rápida da narrativa do Fed sugere pânico no banco central?

O que é que a histónia nos diz?

Esta não é a primeira vez que a Fed faz um corte de emergência ou descomunal. VImos ações semelhantes em ocasiões como a bolha das Ponto.com, no colapso do LTCM, na crise bancária... Isso permite-nos acompanhar as respostas do mercado a essas ações. Selecionamos 7 respostas desse tipo nos últimos 50 anos. Havia mais, mas como alguns movimentos extraordinários ocorreram várias vezes durante uma única crise (por exemplo, três vezes durante a crise financeira global), escolhemos apenas a primeira resposta, para a analogia com o momento atual poder ser mais direto. Os resultados da análise foram, de facto, estranhos. O primeiro mês resultou num ganho médio de 1% para o S&P500 (US500), com os traders a receberem o estímulo de forma positiva. Os primeiros 3 meses tiveram um retorno negativo de 1,25%, o que significa que o problema não ficaram resolvido e a primeira reação reverteu-se. No entanto, o retorno anual do corte é superior a 5%, em média, sugerindo que a ação conseguiu ser bem-sucedida a médio prazo.

O corte de emergência do FOMC por si só não é uma receita para um mercado em alta. Fonte: Bloomberg, XTB Research

É preciso ter prudência com essa interpretação e estudar esses casos separadamente. Podemos ver que dois grandes rallies significativos ocorreram em 1980 e 1998. O segundo caso é muito direto - o corte do Fed foi uma resposta ao colapso do LTCM e, embora não houvesse problemas fundamentais na economia (ou pelo menos ainda não), o movimento ascendente foi incansavelmente. Em 1980, onde a situação fundamental era desastrosa, a recuperação ocorreu após a grande queda de 1979 (atualmente não é o caso) e antes de outra queda em 1981. O maior culpado foi 1974, a crise do petróleo. E os mercados também caíram em 2001 e 2007, mas nessas situações, ocorreu apenas uma insinuação de mercado baixista.

São os traders quem deve acompanhar a propagação do vírus, não o FOMC

Dito isto, podemos concluir o seguinte: o corte do FOMC não interrompe o mercado em baixa se o problema subjacente for realmente sério. Será esse o caso atual? Ainda não sabemos ao certo. Se os EUA e a Europa forem forçados a implementar as restrições comerciais ao estilo chinês (que levaram a -80% das vendas de carros em fevereiro - por exemplo), o caso seria muito sério. É por isso que os traders devem acompanhar os dados de propagação de vírus que compartilhamos todos os dias nos "Destaques da manhã”, que é o primeiro post de pesquisa na plataforma xStation.

A propagação do vírus tem sido rápida até agora. Fonte: Worldeters, XTB Research

Atenção ao OURO

Devemos dizer ainda que a resposta do preço do ouro tem sido consistente, em média. E este pode ser um fator a observar, numa altura em que os bancos centrais parecem estar a perder credibilidade.

Os preços do ouro subiram mais de 10% em 6 meses, após 7 cortes anteriores nas taxas de emergência. Fonte: Bloomberg, XTB Research

Declaração de Risco

A X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. não se responsabiliza por decisões de investimento que se baseiem em informações contidas nestes conteúdos. Nenhuma da informação aqui contida deverá ser entendida como recomendação de investimento, garantia de lucro ou de risco significativamente menor. Os investimentos baseados no uso de produtos derivados com alavancagem financeira são, por natureza, especulativos e poderão resultar tanto em lucros como perdas significativas.

Partilhar:
Voltar

Os CFDs são PRIIPS, a sua compreensão poderá ser difícil e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 79% das contas de investidores de retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFDs e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro. X-Trade Brokers Dom Maklerski, S.A.

Os CFDs são PRIIPS, a sua compreensão poderá ser difícil e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 79% das contas de investidores de retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFDs e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro. X-Trade Brokers Dom Maklerski, S.A.

Os CFDs são PRIIPS, a sua compreensão poderá ser difícil e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 79% das contas de investidores de retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFDs e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro. X-Trade Brokers Dom Maklerski, S.A.

×