⛽ Brent atinge máximos de 7 anos!

13:16 18 de janeiro de 2022

Novas pressões em torno dos preços dos combustíveis?

O petróleo está a ter um início notável este ano. Não só os preços conseguiram quebrar acima dos máximos de 2021, como também o Brent conseguiu atingir o nível mais alto desde 2014. Tanto o Brent como o WTI - estão a valorizar mais de 12% YTD (até à data). Além disso, o setor energético é inquestionavelmente a classe de ativos com melhor desempenho após as primeiras duas semanas de 2022. Dado que as expectativas no final de 2021 apontavam para um cenário completamente diferente, pode-se questionar quais os motivos  por detrás das últimas valorizações dos preços do petróleo?

Perspectivas sombrias para 2022

Comece a investir hoje ou teste gratuitamente uma conta demo

Abrir Conta Real TESTAR A DEMO Download mobile app Download mobile app

As perspectivas para o mercado petrolífero em 2022 não são muito promissoras. Quase todas as grandes instituições esperavam que 2022 fosse marcado por um aumento significativo no lado da oferta, chegando até a provocar um excesso de oferta no mercado. Esperava-se que o excesso de oferta levasse à reconstituição dos inventários que têm vindo a diminuir há cerca de uma dúzia de meses e que atingissem os níveis mais baixos em 5 anos. O impacto da nova variante Omicron era visto como um trigger que apoiava estas expectativas. No entanto, o mercado começou a especular que a OPEP+ poderia abandonar a política de aumento da produção. Contudo, a realidade acabou por ser diferente. A OPEP+ anunciou que vai continuar a aumentar a produção e a Omicron acabou por não ter um impacto tão grande na mobilidade e na procura de petróleo como esperado.

Porque é que os preços do petróleo estão em máximos de 7 anos?

Há muitos factores por detrás do recente rally nos preços, na sua maioria, são factores pontuais. As recentes perturbações nas cadeias de abastecimento na Líbia e no Cazaquistão são exemplos perfeitos de tais factores. Embora a situação em ambos os países ainda não tenha sido totalmente resolvida, melhorou o suficiente para desencadear uma queda a curto prazo nos preços do petróleo. No entanto, o mercado rapidamente redireccionou o seu foco para uma perspectiva a longo prazo.
Além disso, as tensões no Médio Oriente estão de novo a aumentar com os iemenitas Houthis a lançar ataques com drones nos aeroportos dos Emirados Árabes Unidos.

Cotação do Brent (OIL) atingiu máximos de 2014. Fonte: xStation5

O que podemos esperar a seguir?

A relação entre a oferta e a procura continuam a influenciar os preços do petróleo , bem como as mudanças em torno das políticas monetárias da Fed que terão também um impacto no petróleo devido ao seu impacto no USD. Entre os principais factores a observar no petróleo este ano, é possível encontrar:

 

  • A recuperação da procura para níveis pré-pandémicos, mesmo sem recuperação total no tráfego aéreo
  • No que diz respeito à procura, o mercado irá observar atentamente se os consumidores substituem o gás natural caro por derivados de petróleo
  • A política da OPEP+ terá um impacto fundamental nas perspectivas a longo prazo
  • A OPEP+ abstém-se de alterar a sua política para não perder a posição de líder nos mercados petrolíferos
  • Apesar da posição de líder e do maior impacto nos preços, a OPEP+ pode não ser capaz de restabelecer a produção a níveis pré-pandémicos devido a investimentos inadequados nos últimos meses
  • As conversações nucleares com o Irão continuam, mas não há fim à vista. A maioria das instituições não espera que este ano chegue aos mercados um fornecimento adicional do Irão.
  • Os Estados Unidos planeiam continuar a aumentar a produção, mas a um ritmo mais lento do que em tempos pré-pandémicos. As pressões de grupos ambientalistas nos Estados Unidos estão a aumentar e poderá ser decretada uma proibição de novos projectos de xisto. A proibição de novos projectos de perfuração no Alasca já foi imposta

 

Tendo em consideração os factores acima mencionados, as expectativas anteriores que apontam para uma redução da procura e de uma oferta muito maior podem não se materializar. Um excesso de oferta anteriormente esperado pode revelar-se um grande défice. Goldman Sachs espera um tal cenário e aumenta as previsões de preços para Brent e WTI no 3º e 4º trimestre de 2022 em 20 dólares por barril, para uma barreira psicológica de 100 dólares por barril.

A capacidade de produção sobressalente nos países da OPEP (linha branca) está em queda livre e cai muito mais rapidamente do que a produção do cartel está a aumentar (linha amarela, eixo invertido). A situação sugere que a falta de investimentos adequados nos últimos meses pode impossibilitar o restabelecimento da produção a níveis pré-pandémicos. Fonte: Bloomberg

Declaração de Risco

A XTB S.A. não se responsabiliza por decisões de investimento que se baseiem em informações contidas nestes conteúdos. Nenhuma da informação aqui contida deverá ser entendida como recomendação de investimento, garantia de lucro ou de risco significativamente menor. Os investimentos baseados no uso de produtos derivados com alavancagem financeira são, por natureza, especulativos e poderão resultar tanto em lucros como perdas significativas. Esteja ciente de que dados de desempenho anteriores não são um indicador fiável de desempenho futuro.

Partilhar:
Voltar

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 79% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 79% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.