Relatório especial: Pode um vírus acabar uma tendência altista de uma década?

10:41 26 de fevereiro de 2020

Para a maioria do mercado acionista, o ano de 2019 foi muito forte, apesar da economia global apresentar fraqueza. Apesar do risco óbvio do Coronavírus, o mercado de tecnologia dos EUA (US100) subiu mais de 10% em fevereiro. No entanto, o clima escureceu recentemente com a disseminação do vírus para fora da China. Poderemos estar perante um marco histórico dos mercados? Pode um vírus acabar uma tendência altista de uma década em Wall Street?

Economia chinesa quase estagnada

Enquanto aguardamos dados concretos da China, há cada vez mais evidências da escala de "destruição" do vírus - e é massiva. Estamos a ver declínios entre 30 a 95% anualizados numa série de atividades. A taxa de extração de petróleo, que é um dos indicadores mais importantes da atividade comercial, caiu quase 30% em comparação com a média de 2019 e mais de 35% em comparação com dezembro, já que as refinarias operam a menos de 50% da sua capacidade. As estatísticas relacionadas aos consumidores são ainda mais pessimistas. As vendas de carros na primeira quinzena de fevereiro foram 92% inferiores em comparação com o período correspondente de 2019. As vendas de smartphones caíram 36,6% y/y em janeiro e tudo indica que veremos uma descida ainda mais acentuada em janeiro. No período entre 25 de janeiro (quando foram adotadas medidas de proteção de base ampla) e 18 de fevereiro, o tráfego ferroviário e metropolitano caiu 82% y/y, e as vendas da Adidas (que serve de indicador para o setor de roupas de marca) caíram 85% y/y. A “You China”, cadeia de fast food, possui 30% dos seus estabelecimentos fechados e as vendas nas que estão abertas caíram 50%. Isso reduz a receita da empresa em cerca de 65%. Se a situação durar um mês (e não estamos longe disso), teremos de subtrair cerca de metade (cerca de 4 pontos percentuais) de um mês do PIB anual. De fato, de acordo com o Global Times, 6% das empresas chinesas enfrentam falência e 60% das pequenas e médias empresas têm dinheiro para suportar até 2 meses antes de não poderem cobrir os seus custos fixos. Como é que é possível que as previsões oficiais ainda vejam um crescimento na China este ano acima de 5%?! Bem, a suposição é de que o vírus seria contido e que tudo se recupere em estilo V...

As primeiras estimativas mostram uma grande descida na atividade económica da China. Fonte: Pesquisa XTB

 

Mercados começam a perder a fé numa recuperação em forma de V

Esta é precisamente a razão pela qual até um surto leve na Coreia do Sul e Itália causam tanto pânico. Quaisquer perdas na China podem ser parcialmente cobertas com a ajuda da procura global. Mas se os congelamentos e limitações no estilo chinês fossem introduzidos noutros lugares, poderíamos ver rapidamente a economia global a estagnar. A última vez que aconteceu algo semelhante (embora por motivos diferentes) o S&P500 caiu para 666 pontos. O receio é real - se a Europa e a Ásia tiverem que implementar restrições mais duradouras, a recessão global poderá tornar-se num cenário muito realista. É por isso que os novos casos fora da China são as estatísticas mais acompanhadas do momento. Durante algum tempo, esse número foi moderado e, em certa medida, explicado por situações estranhas, como os novos casos no navio de cruzeiro. O número de países que registava casos de contágio era de 7. No fim de semana, esse número mais do que triplicou, e continua a acelerar, com 14 novos casos extra-China na segunda-feira e 16 na terça-feira.

Enquanto o vírus se espalhar para fora da China, os mercados reagirão ao aumento do risco de recessão. Fonte: Worldeters, Pesquisa XTB


Enquanto o número de novos países com casos continuar a subir, os mercados poderão continuar a extrapolar os danos económicos. Podemos ver um gráfico interessante no site da Tomtom que já apresenta um declínio significativo no tráfego em Milão. Os mercados estão preocupados que restrições prolongadas possam levar à recessão.  

Os dados de tráfego já mostram o impacto do vírus em Milão. Fonte: Tomtom

 

Dados a ter em atenção

A evidência que apresentámos no primeiro parágrafo dá-nos uma ideia do dano económico atual. Mas a imagem ficará mais completa quando os relatórios económicos que cobrem os períodos infectados pelo vírus forem publicados. Esta semana teremos acesso aos primeiros PMIs da China e dados comerciais da Coreia. Dada a confiança limitada nos dados chineses, o comércio coreano e os relatórios do PMI podem ser a melhor visão da situação económica. Os dados coreanos não refletem a recente explosão local recentemente de novos casos, mas devem captar o impacto dos problemas chineses.


Alguns dos relatórios mais importantes da China serão publicados este fim-de-semana. Fonte: Pesquisa XTB

 

Qual a profundidade da correção?

A questão principal está se estamos à procura de uma correção completa ou apenas de um ajuste no padrão de sentimentos do mercado. Analisando os padrões históricos, pode-se ver que o S&P500 corrige frequentemente em até 19%. Isso implicaria uma correção até aos 2750 pontos. Por outro lado, a maioria das retrações desde 2015 foram de apenas entre 250 e 350 pontos. Neste momento, já estamos perto dessa correção de 19%. Como o mercado está a usar o número de casos de contágio por Coronavíros fora da China como um indicador dos danos económicos futuros, os dados que apresentamos no parágrafo podem decidir entre esses dois cenários.


Olhando para o gráfico US500, vemos 3 níveis de suporte. O mais próximo está nos 3070 pontos - baixa local desde o início de dezembro e, ao mesmo tempo, limite inferior do canal ascendente. Depois, temos os 3030, topo duplo a partir do segundo semestre de 2019 e 2984 pontos - intervalo 1: 1 da correção do início de 2018. Se esses suportes não funcionarem, poderíamos ver uma descida até aos 2730 pontos. Fonte: xStation

 

André Neto Pires, Analista na XTB Portugal
andre.pires@xtb.pt
211 222 981

Declaração de Risco

A X-Trade Brokers Dom Maklerski S.A. não se responsabiliza por decisões de investimento que se baseiem em informações contidas nestes conteúdos. Nenhuma da informação aqui contida deverá ser entendida como recomendação de investimento, garantia de lucro ou de risco significativamente menor. Os investimentos baseados no uso de produtos derivados com alavancagem financeira são, por natureza, especulativos e poderão resultar tanto em lucros como perdas significativas.

Partilhar:
Voltar

Os CFDs são PRIIPS, a sua compreensão poderá ser difícil e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores de retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFDs e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro. X-Trade Brokers Dom Maklerski, S.A.

Os CFDs são PRIIPS, a sua compreensão poderá ser difícil e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores de retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFDs e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro. X-Trade Brokers Dom Maklerski, S.A.

Os CFDs são PRIIPS, a sua compreensão poderá ser difícil e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores de retalho perdem dinheiro quando negoceiam CFDs com este fornecedor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFDs e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro. X-Trade Brokers Dom Maklerski, S.A.

×