A história da Bitcoin

  • Criptomoedas
14 minuto(s)
A Bitcoin é a criptomoeda mais antiga que tem uma história fascinante. Neste artigo, apresentamos as informações mais importantes sobre a Bitcoin.

O conceito de uma criptomoeda como sistema de pagamento eletrónico descentralizado foi desenvolvido já nos anos 90 do século passado. Em 1998, Wei Dai, um programador e licenciado da Universidade de Washington, publicou um ensaio no qual apresentou uma ideia de uma moeda digital de dinheiro. O conceito, descrito como "um projeto concebido para um grupo de utilizadores anónimos, baseado num mecanismo de pagamentos indetectáveis e de execução de contratos entre utilizadores sem a ajuda de intermediários externos" é confusamente semelhante ao mecanismo da Bitcoin. Qual é a origem da criptomoeda mais popular? Qual é a história da Bitcoin e o que pode o futuro trazer? Estas e outras questões serão respondidas neste artigo.

A origem da Bitcoin

O comércio na Internet depende quase exclusivamente de instituições financeiras que servem como terceiros de confiança para processar pagamentos eletrónicos. Embora o sistema funcione suficientemente bem para a maioria das transações, ainda sofre das fraquezas inerentes ao modelo baseado na confiança - estas são as palavras de abertura do manifesto intitulado "Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System" escrito pelo já famoso Satoshi Nakamoto. Em menos de dez páginas do documento, Nakamoto apresenta a ideia de criar uma rede descentralizada baseada na prova de trabalho (PoW) dos computadores dos utilizadores individuais. O manifesto, publicado a 31 de Outubro de 2008, lançou as bases não só para um novo sistema de pagamento descentralizado, mas também para uma alternativa ao mercado de capitais tradicional no valor de mais de 2,7 biliões de dólares (em finais de Outubro de 2021). O papel fundamental da confiança (ou melhor, da desconfiança) de uma sociedade nas moedas fiat pôde ser observado apenas alguns anos após a publicação do manifesto de Nakamoto.

A história da Bitcoin

Em Janeiro de 2009, assim que o primeiro bloco foi minado, a rede Bitcoin começou a funcionar. O bloco, no valor de BTC 50, agora conhecido como o bloco de génese, foi minado pelo próprio Satoshi Nakamoto. O cliente BTC, distribuído nessa altura sob uma licença de código aberto, permitiu que mais utilizadores aderissem à rede, e juntos começaram a construir a blockchain Bitcoin. No entanto, foi nesse momento que já se deparavam com o primeiro grande problema - como valorizar a nova moeda virtual? Embora a primeira transacção tenha tido lugar em Janeiro, só em Outubro de 2009 foi determinada a primeira taxa de câmbio real da Bitcoin, que era exactamente 1 USD para o BTC 1309. No final de Outubro de 2021, este montante de Bitcoin valeria pouco mais de 81 milhões de USD! A taxa de retorno que os primeiros utilizadores de Bitcoin conseguiram realizar é, portanto, colossal. Isto foi experimentado de uma forma bastante dolorosa por Laszlo Hanyecz, a primeira pessoa no mundo a utilizar a Bitcoin numa transacção comercial. A 22 de Maio de 2010, o programador comprou duas pizzas e pagou uma quantia igual de 10.000 BTC por elas.

Histórico de preços da Bitcoin

Um pouco antes, em Fevereiro de 2010, foi criado o primeiro portal de sempre para permitir a compra de Bitcoin para uma moeda fiat. O Mercado de Bitcoin foi criado por um utilizador do mesmo fórum de discussão no qual Laszlo Hanyecz se vangloriava da sua compra. No entanto, o portal não conseguiu obter o reconhecimento de um grupo mais vasto de utilizadores e acabou por terminar as suas operações em meados de 2011 devido ao fim da cooperação entre o Mercado de Bitcoin e a PayPal - uma empresa que intermediava os pagamentos por compra de Bitcoins. 

Foi dada muito mais publicidade ao Mt. Gox - um trabalho de Jed McCaleb, que, além de permitir a compra de BTC, manteve uma taxa de câmbio constante e forneceu informações sobre o preço máximo e mínimo alcançado num dia e sobre o volume diário gerado. Muitas pessoas consideram o Monte Gox como sendo a primeira verdadeira plataforma de negociação de Bitcoin. A 6 de Março de 2011, McCaleb vendeu a plataforma a Mark Karpeles, que fez com que o Mt. Gox continuasse a ser o maior centro de troca de Bitcoin na Internet durante anos. Por volta dessa altura, começaram a aparecer os equivalentes regionais do Mt. Gox. A 27 de Março, foi criada a Britcoin, permitindo a compra de BTC por libras britânicas. Quatro dias mais tarde, foi lançado o Bitcoin Brasil, permitindo aos residentes do maior país da América do Sul o comércio livre de Bitcoin. No início de Abril de 2011, foi lançado o BitMarket.eu, o que permitiu às pessoas comprarem Bitcoin por euros. Em Julho do mesmo ano, o portal WikiLeaks, seguido por outras organizações e associações, começou a aceitar a Bitcoin como um donativo. Nessa altura, a capitalização da Bitcoin já tinha ultrapassado 1 milhão de dólares e a primeira mina comercial Bitcoin, Slush's Pool, tinha atingido uma capacidade de 10.000 Mhash/s. Ao mesmo tempo, 25% de toda a Bitcoin já tinha sido extraída no final de Janeiro de 2011, e o novo ativo começou a atrair o interesse dos meios de comunicação social. Contudo, depois de atingir um pico local de 32 USD, o preço da Bitcoin começou a descer para terminar o ano marcante de 2011 em cerca de 5 USD. Como viria a acontecer mais tarde, ajustamentos de 80-90% dos picos locais deveriam acompanhar os participantes no mercado durante os anos seguintes.

história da bitcoin

Desenvolvimento futuro

Em Fevereiro de 2013, a Coinbase anunciou que um milhão de dólares de Bitcoins tinha sido vendido em apenas um mês. Já no final de Março, a capitalização da BTC ultrapassava mil milhões de dólares. Ao mesmo tempo, o gráfico da criptomoeda mostrava aumentos predominantes, que se tornaram quase verticais ao longo do tempo. A 10 de Abril de 2013, a Bitcoin fixou um pico então histórico em 266 dólares, marcando assim o fim do segundo bull market. Após o preço da Bitcoin ter caído mais de 80% em apenas seis dias, muitas pessoas previram o eventual desaparecimento da invenção da Nakamoto. No entanto, os meses que se seguiram envolveram uma adopção crescente da criptomoeda.

Após as autoridades alemãs terem reconhecido a Bitcoin como um verdadeiro meio de pagamento privado em Setembro de 2013, a situação gráfica começou a assemelhar-se à do primeiro semestre do ano. Apenas oito semanas foram suficientes para que a Bitcoin fixasse outro ATH - desta vez em 1242 dólares. No entanto, de acordo com um dos pressupostos da análise técnica - a história repetiu-se novamente e os aumentos dinâmicos foram seguidos por decréscimos não menos dinâmicos. A Bitcoin estava a ganhar popularidade não só entre os entusiastas da nova tecnologia ou especuladores que esperavam um novo aumento no seu preço. Devido às suas características, a Bitcoin também se tornou extremamente popular entre os criminosos. Em Outubro de 2013, o FBI apreendeu cerca de 26 mil BTC na sequência da detenção do criador da Rota da Seda, o então mais popular website que intermediava a venda de todas as coisas que eram ilegais. Talvez tenha sido este evento que nos fez esperar até 2017 por mais aumentos dinâmicos no preço da Bitcoin. No entanto, isto não significa que a história da Bitcoin tenha parado durante esse período de tempo.

O colapso da então maior troca de Bitcoin, Mt. Gox, também não prejudicou a maior popularização da Bitcoin. No início de Fevereiro de 2014, a troca suspendeu os pagamentos apenas para apresentar um pedido de falência no final do mesmo mês. Como mais tarde se revelou, a falência foi o rescaldo de um roubo de Bitcoin numa escala sem precedentes, que resultou na perda de mais de 744 mil BTC. Em Setembro do mesmo ano, a TeraExchange recebeu a aprovação da US Commodity Futures Trading Commission para criar o primeiro produto OTC com base no preço da Bitcoin. Porque é que é tão importante?

Os produtos OTC regulamentados permitiram que um grupo muito mais vasto de pessoas investisse na Bitcoin. Até essa altura, a Bitcoin tinha sido o domínio dos geeks da Internet, embora a própria tecnologia já tivesse começado a atrair o interesse de empresas como a Dell e a Microsoft. No entanto, a adopção da Bitcoin pelos mercados financeiros enfrentou uma resistência considerável por parte dos próprios representantes dos mercados. Em Dezembro de 2013, o antigo presidente do Fed - Alan Greenspan - falou sobre a Bitcoin. Ele chamou ao Bitcoin uma "bolha especulativa". As críticas à criptomoeda também foram feitas por Warren Buffett, que, numa entrevista no início de 2014, declarou que "Bitcoin é uma miragem". No entanto, a popularização crescente da Bitcoin como alternativa ao fiat money estava a fazer subir constantemente o preço. No início de Março de 2017, o preço da Bitcoin ultrapassou o preço de uma onça de ouro, que era então de USD 1286. A Bitcoin começou a ganhar credibilidade devido a alterações legislativas em cada vez mais países. Foi em 2017 quando o Japão começou a reconhecer amplamente a Bitcoin como uma alternativa legítima à sua moeda. A legislação introduzida na altura permitia a posse de Bitcoin e a sua troca por moedas nacionais ou estrangeiras, mas não permitia a utilização de Bitcoin para pagamentos directos de bens ou serviços. Com o aumento do preço do BTC, o interesse na bolha emergente também aumentou, e juntamente com isso - os volumes nas trocas de criptodivisas também aumentaram. No entanto, em meados de 2017, ocorreu uma divisão - tanto entre os próprios apoiantes da Bitcoin como dentro da sua própria blockchain. A 1 de Agosto, a rede foi dividida, resultando na criação de duas criptomoedas separadas - Bitcoin e Bitcoin Cash. Esta última caracteriza-se por um bloco de maiores dimensões (até 8 MB), mas esta alteração não diminuiu significativamente o interesse na Bitcoin. Actualmente (final de Outubro de 2021), o Bitcoin Cash está apenas na terceira dez criptomoedas mais populares em termos de capitalização de mercado - muito atrás do BTC. 

Apesar da divisão da rede, a Bitcoin continuou a ganhar valor, e a tendência contínua para a Oferta Inicial de Moeda (ICO) levou o seu preço a cerca de USD 19.500 em meados de Dezembro de 2017. Mais uma vez, porém, num momento de imensa excitação causada por um aumento tão dramático na valorização do BTC e que a criptomoeda tinha ultrapassado uma capitalização de 100 mil milhões de USD, a bolha foi perfurada. Nos doze meses seguintes, o preço da Bitcoin derreteu quase 85% e testou o nível de 3200 USD. Embora em 2019 tenha havido uma tentativa do mercado de atacar o pico anterior, o crescimento acabou por parar em cerca de 13.000 USD. Tivemos de esperar até 2020 para o próximo bull rally.

Futuro incerto

No início de Julho de 2020, a empresa indiana 21Shares começou a cotar no sistema Xetra de sete ETPs (Exchange-Traded Products) com base no preço da Bitcoin. Nessa altura, os contratos de futuros e opções Bitcoin já eram activamente negociados; estes foram introduzidos, quase em simultâneo, pela CME e CBOE em Dezembro de 2017. Paralelamente, estava em curso uma batalha para conseguir que a Comissão de Títulos e Câmbios dos EUA (SEC) aprovasse um fundo negociado na Bolsa de Valores de Bitcoin (ETF). Os contratos de futuros, bem como as opções baseadas neles pelo preço da Bitcoin ascendem a 5 BTC, pelo que estes instrumentos não são populares entre os investidores de retalho com capital mais pequeno à sua disposição. Com eles em mente, as melhores corretoras prepararam uma oferta de CFDs em criptomoeda, que popularizou ainda mais este mercado entre aqueles que procuram uma diversificação adicional das suas carteiras.

A SEC rejeitou repetidamente pedidos de aprovação de um ETF Bitcoin. Em meados de 2018, os irmãos Winklevoss, famosos pelos seus investimentos iniciais em Bitcoin e pela criação do portal de negociação de criptomoedas Gemini, enfrentaram rejeição a este respeito. No entanto, foi finalmente criada uma ETF baseada não no preço da Bitcoin em si, mas nos futuros da Bitcoin. O mercado teve de esperar até Outubro de 2021 para ver isto acontecer. Entretanto, o mundo foi atingido pela pandemia do coronavírus e, juntamente com ela, tem havido uma enorme volatilidade nos mercados financeiros. Enquanto para a maioria das classes de activos tradicionais a pandemia desencadeou declínios dinâmicos, no caso da Bitcoin desencadeou aumentos que acabaram por conduzir à formação de um novo pico histórico. 

A Bitcoin fechou o ano de 2019 com o preço próximo dos 7250 USD, doze meses depois já estava avaliado em quase 29.000 USD, e em meados de Abril de 2021, fixou um pico de cerca de 64.000 USD. Os aumentos dinâmicos, intercalados com curtos períodos de correcções superficiais, foram impulsionados por uma maior adopção da tecnologia da blockchain na economia real, expectativas em relação a novos instrumentos financeiros baseados no preço da Bitcoin, mas também pela diversificação do risco. O período prolongado de política monetária ultra-suave implementada por muitos bancos centrais acabou por conduzir a um aumento global da inflação e, consequentemente, a uma diminuição do poder de compra da moeda. Entretanto, a Bitcoin, cuja oferta é limitada a 21 milhões de unidades, continuou a subir de preço, proporcionando assim uma alternativa interessante aos activos financeiros tradicionais. Consequentemente, cada vez mais pessoas falavam de uma bolha de investimento impulsionada pela esperança de um preço ainda mais elevado da moeda Bitcoin. É certo que a primeira metade de 2021 envolveu uma reavaliação de mais de 50% do preço da criptomoeda mais antiga, mas os meses seguintes levaram à formação de uma nova alta de todos os tempos no gráfico de 66.900 USD. O que pode o futuro trazer para a Bitcoin? 

Na verdade, é difícil responder a esta pergunta. Utilizando uma das ferramentas de análise técnica mais populares, as extensões Fibonacci, dão esperanças de testar o nível em torno dos 89.000 USD. No entanto, há que ter em mente que a Bitcoin tem surpreendido frequentemente os analistas. No entanto, é possível delinear vários factores que têm influenciado o preço da Bitcoin até agora:infográfico sobre o futuro incerto da bitcoin

  • Adaptação adicional da tecnologia blockchain - muitos críticos da Bitcoin salientam que a maioria das transacções numa blockchain são geradas por especuladores que esperam a continuação da tendência de alta no gráfico do BTC. Contudo, há que ter em conta que a tecnologia da blockchain é utilizada em numerosos casos e está a ser desenvolvida e utilizada por empresas como a int. al. Microsoft, Goldman Sachs, Amazon e Walmart. A tecnologia da blockchain não só é capaz de racionalizar a logística, como também fornecer cuidados de saúde rápidos e seguros ou revolucionar o comércio electrónico. A introdução de mais soluções baseadas em blockchains na economia real poderia suportar o preço da Bitcoin, que já é tratado como um equivalente digital de ouro.
  • Regulamentação - muitas pessoas acreditam que o rally em alta da Bitcoin que teve lugar em 2020 e 2021 se deveu em parte às expectativas de uma maior regulamentação da Bitcoin por parte dos intervenientes do mercado financeiro. A introdução de um ETF baseado na valorização futura do contrato Bitcoin abre o caminho para milhões de investidores passivos adicionarem criptomoedas à sua carteira. Uma maior regulamentação do mercado de criptomoedas poderia ter um impacto positivo tanto na confiança dos investidores na Bitcoin como num aumento adicional do seu preço.
  • Política do banco central - o período de política monetária ultra-suave implementada por muitos bancos centrais em todo o mundo levou a um aumento do nível médio dos preços em muitas economias. Os problemas induzidos pela pandemia com a cadeia de fornecimento exerceram uma pressão inflacionária adicional, levando muitas pessoas a procurar alternativas ao "fiat money". A Bitcoin é vista como uma tal alternativa, o que torna provável que o crescimento do seu preço continue se a inflação continuar a aumentar.

Em Junho de 2021, El Salvador tornou-se o primeiro país do mundo a reconhecer a Bitcoin como moeda com curso legal. Desde então, os habitantes de El Salvador têm sido capazes de utilizar a criptomoeda para compras diárias e receber remuneração pelo trabalho em Bitcoin. A decisão do presidente deste pequeno país latino-americano iniciou um debate acalorado entre os apoiantes da criptomoeda sobre se medidas semelhantes deveriam ser tomadas pelos governos de outros países. Certamente, o mundo inteiro estará a acompanhar de perto esta experiência socioeconómica única em criptomoeda. A história de Bitcoin está longe de ter terminado, e o seu futuro é certamente intrigante.

Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. - Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.