Ações (stocks)

  • Ações
9 minuto(s)

Cada segmento dos mercados financeiros tem as suas próprias regras de governo. O valor das moedas, por exemplo, é determinado maioritariamente pelo que se passa na economia de um país, pela política do banco central ou pelos movimentos das taxas de juro. As matérias-primas, por outro lado, focam-se maioritariamente na relação entre a oferta e a procura. E depois há as ações. As ações (stocks) são um instrumento interessante, pois estão ligadas não só ao que se passa dentro de uma empresa, como podem ser um reflexo da economia como um todo. Além disso, enquanto uma alteração de mais de 5% no valor de uma moeda ou matéria-prima é considerada pouco usual ou extraordinária, é bastante comum nas ações.

Nesta aula, vai aprender:

● Que fatores podem influenciar as ações

● Que rácios financeiros valem a pena considerar para analisar ações

● A diferença entre uma ação física e um CFD

Cada segmento dos mercados financeiros tem as suas próprias regras de governo. O valor das moedas, por exemplo, é determinado maioritariamente pelo que se passa na economia de um país, pela política do banco central ou pelos movimentos das taxas de juro. As matérias-primas, por outro lado, focam-se maioritariamente na relação entre a oferta e a procura. E depois há as ações. As ações (stocks) são um instrumento interessante, pois estão ligadas não só ao que se passa dentro de uma empresa, como podem ser um reflexo da economia como um todo. Além disso, enquanto uma alteração de mais de 5% no valor de uma moeda ou matéria-prima é considerada pouco usual ou extraordinária, é bastante comum nas ações.

O que são ações?

Comecemos com uma definição simples: uma ação é um título que simboliza a propriedade numa empresa e representa uma reivindicação de parte dos ativos e ganhos da empresa. Isto significa que se comprar uma ação numa empresa, torna-se dono dessa firma específica. Passa a deter parte dos ativos dessa empresa e ganha o direito de tomar parte nos seus ganhos (passa a ter o direito de receber dividendos). Claro que já muitos tipos de ações, mas vale a pena focarmo-nos nas ações comuns, já que têm a maior participação de mercado.

Ao tornar-se o acionista maioritário ou o dono de uma empresa, vai ser mais complicado negociar ações. Não só tem de decidir o que fazer com os títulos que adquiriu, como tem o direito de decidir sobre o futuro da empresa participando nas assembleias gerais de acionistas. Os detentores de ações ordinárias têm o poder de voto em assuntos corporativos como o Conselho de Administração, fusões, ofertas e aquisições.

Que fatores afetam as ações?

Como já é habitual, não existem respostas fáceis a essa questão. A verdade é que há muitos fatores que podem afetar os preços das ações. Sublinhemos os mais importantes:

● Ganhos – os ganhos são cruciais para analisar ações. Quanto mais a empresa ganhar, mais caras se vão tornar as ações – em teoria. Quando a empresa está a lucrar, pode passar os lucros para os acionistas sob a forma de dividendos. Pode também readquirir as suas ações ou investir, o que levará a um aumento no valor da empresa. À medida que a quantidade de ações se mantém mais ou menos inalterada, um aumento no valor da empresa leva a um preço mais elevado de cada ação. É importante lembrar-se que por vezes uma empresa que tenha ações com um preço elevado pode não estar a lucrar muito. No entanto, um aumento no preço significa que os investidores esperam que vá ocorrer um aumento no futuro. Caso contrário, os preços vão cair a pique, tal como aconteceu durante a bolha da internet. É por isso que é crucial observar os ganhos enquanto negoceia ações.

● A indústria ou o setor – as empresas fazem os seus negócios em setores específicos da economia. Por exemplo, a Apple é uma das empresas líderes na alta tecnologia, o que significa que não compete com a Coca-Cola, mas que deve olhar atentamente para a Microsoft. A competitividade agressiva dentro de um setor pode ter um impacto significativo nos lucros de uma empresa, levando a uma redução no valor das suas ações.

● Finanças – A situação financeira de uma empresa determina a sua capacidade de sobrevivência a longo-prazo. A deterioração nesta área pode levar a movimentos dramáticos nas ações da empresa; o melhor exemplo desta situação foram as ações dos bancos durante a crise de 2008.

● Condições económicas – os preços das ações dependem não só do que acontece na empresa, como também do que se passa em seu redor. Por exemplo, um crescimento económico em deterioração ou até mesmo uma recessão podem ser um sinal de queda de ganhos ou até de falência, o que pode afetar as ações. Por outro lado, um elevado crescimento económico pode melhorar a perspetiva de uma dada empresa, levando a uma subida no valor das suas ações.

É claro que existem muitos fatores a ter em conta, mas estes quatro são cruciais para negociar ações.

Repare nestes rácios:

Valorizar uma empresa não é uma tarefa fácil. Os mapas financeiros, as perspetivas para os ganhos, as condições da indústria e todas as variações destas matérias podem ser avassaladoras. No entanto, existe uma forma simples de comparar as ações umas com as outras e avaliar se um investimento numa certa empresa lhe traria lucro. Pode utilizar rácios financeiros para determinar se existe uma oportunidade de negociar. Vejamos os rácios mais populares que podem ser mais úteis na sua análise:

● Lucro por ação (EPS) – este rácio calcula a quantidade de rendimento líquido ganho por cada ação em circulação. Por outras palavras, este valor é o dinheiro ganho com cada ação se todos os lucros forem divididos pelo número total de ações no final do ano. De certa forma, também reflete a rentabilidade da empresa do ponto de vista dos acionistas. Quanto maior for este rácio, mais atraentes serão as ações.

● Rácio entre preço e rentabilidade (P/E) – O rácio entre o preço e a rentabilidade é o indicador mais popular de avaliação do investimento. Apesar das suas imperfeições, é o mais reportado pelos participantes de mercado. Consiste numa avaliação do atual preço das ações da empresa em relação aos seus ganhos por ação. Um rácio elevado significa que os investidores têm de pagar mais pelos ganhos desse dia, e um rácio mais baixo significa que se tornam menos dispendiosos. Além disso, as ações com um elevado rácio preço/rentabilidade podem ser sobrevalorizadas, o que faria delas um investimento pouco atrativo. A regra geral é que quanto mais baixo for o rácio preço/rentabilidade, mais atrativas são as ações.

● Dividend Yield (DY) – este é um rácio que indica quanto dinheiro a empresa paga em dividendos a cada ano em relação ao seu preço por ações. O DY representa-se em percentagem e pode ser calculado dividindo o valor dos dividendos pagos num dado ano por cada ação detida pelo valor de uma ação. Este rácio é uma ferramenta útil para os chamados “investidores em dividendos” que procuram ações que tenham um crescimento estável e que paguem dividendos sólidos.

Existem, claro, muitos rácios que podem ser utilizados para analisar ações. Deve escolher os que serão mais úteis para a sua estratégia de negociação, como mencionado no caso do rácio DY.

Contratos por diferença (CFDs) em ações:

A XTB oferece-lhe CFDs em ações, ainda que esses contratos não sejam propriamente ações. Apesar de se moverem como o ativo em questão, ainda lhe podem dar possibilidades adicionais. Vejamos os tópicos principais relacionados com os CFDs de capital.

Negociar CFDs dá-lhe a possibilidade de entrar com uma posição longa (comprar) se acredita que o preço de cada ação vai subir, ou entrar co uma posição curta (vender) se achar que o preço por ação vai cair. Os CFDs são, por isso, bastante mais flexíveis que a negociação de ações físicas, dando-lhe a possibilidade de beneficiar e potencialmente lucrar com um movimento no preço das ações, ascendente ou descendente, quando o mercado vai ao encontro das suas previsões.

Pode negociar CFDs de capital com uma alavancagem de 1:5, no máximo. Isto significa que pode negociar os CFDs de capital com uma margem menor do que aquela exigida pelas ações normais. A margem necessária para abrir uma posição depende da capitalização do mercado, da liquidez e da volatilidade de uma ação em particular. Por favor não se esqueça de que a alavancagem funciona para os dois lados e que as perdas podem exceder o seu depósito inicial, por isso, tenha cuidado com a gestão que faz do risco.

Enquanto negoceia CFDs, tem de pagar uma taxa diária de financiamento chamada pontos de swap. Isto acontece devido à negociação em margem.

Pode procurar empresas que paguem dividendos e beneficiar dos ajustamentos em dinheiro equivalentes a dividendos líquidos (posições longas sujeitas a um ajustamento em dinheiro extra) ou brutos (posições curtas que estão sujeitas a deduções em dinheiro). As emissões com direito de preferência (rights issues) e os spin-offs são tratados de forma semelhante, já que um ajustamento em dinheiro se baseia no preço de mercado quando se inicia a listagem dos direitos ou o spun-off das ações. As posições abertas estão sujeitas a ajustes das medidas empresariais se se mantiverem abertas depois do horário de negociações na data de vencimento.

As transações de CFDs de capital podem incluir encargos fiscais, dependendo dos regulamentos específicos do mercado em questão.

Comprar um CFD não faz de si dono da empresa, como acontece se comprar ações. Isto significa que pode só pode tomar decisões sobre o futuro da empresa se detiver as suas ações, o que não é possível fazer enquanto tiver CFDs.

Como pode ver, há algumas diferenças entre os CFDs e as típicas ações, apesar de os preços de ambos os instrumentos se comportarem exatamente da mesma forma. Isso significa que pode usufruir da maioria dos benefícios ligados à negociação de ações sem ser dono de nenhuma.

Este artigo contém apenas informação geral com fins educacionais. Quaisquer opiniões, análises, preços ou outros conteúdos não constituem nenhum conselho de investimento ou recomendação. Nenhuma destas pesquisas foi preparada de acordo com os requisitos legais necessários para promover a independência do estudo de investimento e, como tal, são consideradas comunicações de marketing. A XTB não assume qualquer responsabilidade por perdas ou danos, incluindo, sem limitação, quaisquer perdas ou lucros que possam advir direta ou indiretamente do uso ou confiança em tais informações.

Por favor lembre-se que as informações e pesquisas baseadas no histórico de dados ou desempenho não garantem resultados e desempenhos futuros.

Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. - Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.