CO2 tem apoiado a subida dos preços

17:57 12 de janeiro de 2022

O aumento dos preços tornou-se um problema real em todo o mundo. Podemos encontrar várias fontes que têm alimentado os elevados níveis de inflação em quase todo o lado, mas os investidores têm prestado atenção principalmente ao aumento dos preços da energia. Este é um problema nas economias que não têm acesso directo aos recursos energéticos, e a percentagem de energias renováveis é ainda insuficiente. Estes problemas são obviamente visíveis nos países da União Europeia.

A escassez de abastecimento ou problemas de entrega fizeram com que os preços do petróleo subissem ao seu nível mais alto desde 2014, e o gás na Europa saltou para níveis extremamente elevados nunca antes vistos na história. O carvão indesejado também se tornou caro devido ao aumento dos preços de outras matérias primas. Além disso, as fontes alternativas não foram capazes de fornecer tanta energia como a necessária.

Comece a investir hoje ou teste gratuitamente uma conta demo

Abrir Conta Real TESTAR A DEMO Download mobile app Download mobile app

Os preços da energia estão a aumentar acentuadamente

A energia afecta todos os aspectos das nossas vidas e mais cedo ou mais tarde vamos sentir o impacto do aumento dos preços em praticamente todos os aspectos das nossas vidas. Foi isto que aconteceu na Europa, onde a inflação na zona euro subiu para 5% - o nível mais alto da história. Por sua vez, a inflação na Polónia atingiu os níveis perto de 8%, sendo este o nível mais elevado da última década.

Uma criação artificial, consequências reais

Acontece, porém, que para além dos preços elevados dos recursos energéticos, existem também outros problemas! Existe uma escassez de matérias-primas na Europa, razão pela qual os efeitos dos aumentos de preços são muito mais graves do que nos Estados Unidos. No entanto, com estes preços mais elevados das matérias-primas, os sectores europeus da energia e da indústria têm de lidar com um problema criado artificialmente sob a forma de licenças de emissão de gases com efeito de estufa.

As licenças de emissão de CO2 são uma criação artificial inventada pela União Europeia, cujo objectivo é reduzir significativamente os gases nocivos libertados para a atmosfera. Estes, naturalmente, são produzidos principalmente pelos sectores da energia, do aquecimento e da indústria. A União Europeia salienta que as licenças de emissão são responsáveis apenas em 20% pelo recente aumento dos preços da energia. Contudo, como a realidade demonstrou, os preços da energia representam actualmente 60% dos custos associados à compra de licenças de emissão!

O que significa a sigla "ETS"?

A sigla "ETS" é o Sistema Europeu de Comércio de Licenças de Emissão. Foi criado para forçar a indústria, a energia e os sectores da aviação a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa. O sistema atribuirá algumas das licenças gratuitas, dependendo do nível de emissões actuais e da dimensão da economia. A parte restante das licenças destina-se à venda. Se uma determinada empresa industrial ou de energia não possuir um número suficiente de licenças para as suas emissões, deverá adquirir essa quantidade adicional em leilões nacionais ou no mercado secundário. O mercado primário tem lugar nas bolsas ICE e EEX, enquanto o mercado secundário, principalmente de futuros, tem lugar nas bolsas EEX, ICE e NYMEX.

Na fase inicial, o sistema não funcionou como planeado pelos seus criadores, pelo que foi decidido reduzir significativamente as licenças negociadas no mercado, e o número de licenças concedidas em cada ano está a diminuir. Além disso, devido às disposições da lei de propriedade, as instituições financeiras podem operar no mercado. Estes grandes operadores podem apostar se as futuras licenças valerão mais ou menos do que valem actualmente.

Vale a pena notar, contudo, que o sistema foi concebido de modo a forçar o sector energético e a indústria a transformarem-se, o que deu às instituições financeiras um elevado grau de certeza de que os preços irão subir. Isto levou a uma anomalia sob a forma de uma escassez de licenças de emissão no mercado, o que levou a uma subida dos preços. O nível de 100 euros para um contrato de emissão de uma tonelada de CO2 não deveria ser atingido até 2030. Na realidade, os preços aproximaram-se desse nível até ao final de 2021!

Mas será que é um mau sistema?

A própria hipótese de um sistema de emissões não é negativa, é claro. Obriga os ramos da economia mais prejudiciais ao clima a transformarem-se e os países individuais precisam de afectar fundos da venda das suas licenças para apoiar a transformação e mitigar os efeitos dos aumentos de preços. Contudo, a realidade é muitas vezes diferente e, em última análise, são os consumidores finais que suportam o maior custo. Além disso, o ETS é um dos sistemas mais restritivos, com uma parte relativamente pequena das emissões a nível mundial. A Europa é responsável por menos de 20% das emissões globais, enquanto que a Ásia é responsável por mais de 50% das emissões e a sua quota está a crescer. É claro que vale a pena lembrar que a Europa e a América do Norte se desenvolveram mais cedo do que a Ásia. Por outro lado, as indústrias europeias e americanas estão a perder a sua competitividade. Como resultado, empresas do mundo ocidental, devido a problemas com as emissões, decidem transferir a produção para outras partes do mundo.

O que podemos esperar dos preços das Licenças de Emissões?

Os preços das licenças de emissão subiram acentuadamente nos últimos 4 anos, com os maiores aumentos em 2021, quando os preços ultrapassaram os 90 euros por contrato. Muitas análises indicam que os preços atingirão a média de 100 euros nos próximos 2 anos, embora valha a pena lembrar que no início do ano passado ninguém esperava que esse preço subisse para 50 euros por contrato. É possível que, devido à natureza altamente especulativa deste mercado, os preços possam surpreender os participantes mais do que uma vez. Por outro lado, vale a pena mencionar que quando o preço oscilou em torno dos 20-30 euros, o sector energético começou a mudar para mais caro, mas menos emissor de gás. Por sua vez, em torno do nível de 40-50 euros, os projectos eólicos começam a tornar-se rentáveis. Os preços também estão actualmente a ser impulsionados por problemas de escassez temporária e preços elevados do gás, forçando os países a mudar para carvão com maior intensidade de carbono. Os preços podem baixar, embora os regulamentos locais na Alemanha ou nos Países Baixos não permitam que as emissões sejam comercializadas abaixo dos 60 euros.

O investidor pode negociar as licenças de emissão de CO2 na plataforma xStation5 através de CFDs com o símbolo EMISS. O CFD é um instrumento derivado que é considerado uma forma eficiente de negociar emissões de CO2 devido ao acesso à alavancagem, que permite a um investidor utilizar menos capital para ganhar maior exposição a um instrumento subjacente.  É claro, tenha em mente que este é um mercado altamente volátil e grandes flutuações podem levar à perda de capital. Vale também a pena saber que os contratos de futuros negociados por instituições financeiras e CFDs destinados a clientes de retalho permitem lucrar com a queda dos mercados, bem como com a subida dos mesmos. Isto significa que o investidor pode tirar partido tanto de aumentos como de diminuições dos preços das licenças de emissão.

Existe forma de alterar o atual sistema? 

Aumentos significativos nos preços das licenças de emissão provocaram protestos em alguns países e indústrias. As economias dependentes do carvão, tais como a Polónia, República Checa e Espanha, exigem alterações ao sistema ETS. Indicam que as instituições financeiras são as principais responsáveis pelos preços mais elevados e querem introduzir certas restrições para elas. Estas instituições são responsáveis por mais de 50% do comércio de contratos, o que mostra que têm um enorme impacto nos preços. Ao mesmo tempo, contudo, o regulador europeu não encontrou quaisquer problemas no que diz respeito à manipulação dos preços, pelo que neste momento não devemos esperar uma mudança rápida do sistema, em particular, uma vez que a União Europeia quer atingir o ambicioso objectivo de reduzir as emissões em 55% até ao final desta década, em comparação com 1990.

Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. - Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.

Partilhar:
Voltar

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.