Mercado dos semicondutores sob pressão

18:08 21 de setembro de 2022

A Intel é conhecida por ser um precursor na evolução tecnológica de Silicon Valley, sendo líder de processadores e chips gráficos que tornaram possível a construção de computadores, portáteis e smartphones. A empresa resistiu ao desvio da produção de semicondutores para a Ásia durante muitos anos e foi vista como o principal fabricante americano de semicondutores. 

São os semicondutores, utilizados em grande escala em quase todos os dispositivos, que são para o mercado tecnológico o equivalente do petróleo para o mercado automóvel ou do urânio para o mercado das centrais nucleares. Eles são insubstituíveis e extremamente necessários, e são hoje o epicentro do conflito para as duas maiores economias do mundo. 

Comece a investir hoje ou teste gratuitamente uma conta demo

Abrir Conta Real TESTAR A DEMO Download mobile app Download mobile app

O mercado de chips está em perigo de implodir?

Os problemas dos chips foram anunciados pela pandemia, quando os fabricantes de chips cortaram a capacidade de produção através de lockdowns e um abrandamento do consumo em antecipação de um abrandamento após o qual não conseguiram cobrir o aumento da procura dos dispositivos, que foi causado, entre outras coisas, pela tendência do trabalho à distância, pela popularidade do entretenimento virtual e por um boom temporário das encomendas na economia causado indirectamente pelas baixas taxas de juro, pelas políticas fiscais imprudentes dos governos e simplesmente pelas reservas substanciais de dinheiro não gasto pelos consumidores durante a pandemia. Os fabricantes de automóveis começaram a queixar-se do alongamento dos prazos dos semicondutores devido à anterior política de encomendas "just in time" destinada a reduzir a criação de reservas desnecessárias. O mercado foi atingido por uma onda de incêndios em infra-estruturas chave. Entre os que arderam estavam a fábrica da ASL que produzia chips em tecnologia de 3nm e 5nm perto de Berlim, a fábrica japonesa da Nittobo que fornecia fibra de vidro para processadores, a fábrica de sensores da Asahi Kasei Microdevices e também a fábrica japonesa da Renaissance Electronics Corp. que era um dos maiores produtores mundiais de microprocessadores para a indústria automóvel. 

Uma guerra teórica entre a China e os Estados Unidos sobre Taiwan, durante a qual a infra-estrutura da ilha seria destruída, resultaria numa implosão do mercado de semicondutores do qual empresas de tecnologia ocidental como a Intel, AMD mas também compradores de chips como a Apple e Tesla seriam as que mais sofreriam (uma vez que a China já está praticamente desligada das cadeias de abastecimento de Taiwan). O Pentágono referiu-se repetidamente à probabilidade de um tal conflito. Recentemente, até o fez com o Director da CIA William J.Burns indicando que o apetite chinês por subjugar Taiwan irá aumentar à medida que a década actual avança. A bolsa de valores está hoje a fixar preços num futuro pessimista para os fabricantes de chips. Com a recessão global e a fricção geopolítica entre Pequim e Washington, o colapso parece mais provável hoje do que nunca. Os Estados Unidos, contudo, não está claramente prestes a desistir e aponta para uma maior cooperação e uma maior presença na ilha. 

Os EUA perceberam demasiado tarde que precisam mais do que nunca da produção interna de semicondutores porque Taiwan é ainda um lugar incerto. O avanço da globalização nas últimas décadas tem permitido aos americanos esquecerem isso durante algum tempo. Perante a escassez de chips para navegação, motores e electrónica, os fabricantes de automóveis vão perder cerca de 20 mil milhões de dólares este ano. Segundo os analistas do Deutsche Bank, a "guerra fria tecnológica" global custará ao mundo mais de 3,5 triliões de dólares só nos próximos cinco anos. Poderá também envolver uma queda até 4% no PIB de economias como a China, Coreia do Sul e países da União Europeia. Permitir que a China controle Taiwan anunciaria o domínio e o monopólio chinês no mercado de chips, o que na prática significaria uma poderosa influência chinesa sobre a economia global e os fabricantes de tecnologia dos EUA. A infra-estrutura industrial do mercado de fabrico de precisão de Taiwan é tão poderosa que o mundo teria provavelmente de esperar mais de uma década para reconstruir as suas capacidades. Os EUA estão a trabalhar numa lei de arrendamento de terrenos para o aliado Taiwan que ajudaria a ilha a arrendar equipamento militar dos americanos nos prazos de reembolso propostos de 10 anos.  

O mercado de fabricantes de chips está a assistir a um abrandamento maciço face a uma possível recessão global, que, rodeado por uma inflação elevada, taxas de juro e custos de produção crescentes, poderia anunciar a destruição da procura de novas tecnologias. Fonte: Bloomberg

Qual é o acordo com Taiwan?

Uma empresa de Taiwan, Taiwan Semiconductors é responsável por cerca de 65% da produção mundial total de semicondutores e 90% da produção dos seus modelos de última geração. Cerca de 60% das receitas globais de semicondutores são consolidadas em Taiwan. Com a capacidade de escala de produção de chips em 5 nm e chips mais pequenos, Taiwan provou ser um local de peregrinação de gigantes tecnológicos. Devido à tendência de enfiar semicondutores nos chips mais pequenos e eficientes possíveis, e ao acesso a mão-de-obra taiwanesa mais barata e eficiente, as empresas americanas têm estado ansiosas por redireccionar a produção, concentrando-se no design e na propriedade intelectual. Foi em parte graças ao fabrico barato em Taiwan que gigantes como a Intel, AMD e Apple conseguiram obter margens mais elevadas nas vendas de produtos. Devido à sua enorme capacidade de fabrico, Taiwan tornou-se o epicentro global da fricção geopolítica. O negócio dos semicondutores é extremamente difícil. Demora até 2 anos a construir uma fábrica de semicondutores (com a actual escassez, pode levar mais tempo), e devido aos enormes custos e coordenação das cadeias de fornecimento, o custo do investimento só é recuperado em mais 5 anos. A RPC considera Taiwan como parte integrante do seu próprio território, causando mais problemas nas cadeias de abastecimento e ameaçando encerrar o Estreito de Taiwan, a rota de carga mais percorrida do mundo. Com isto, o Reino do Meio está a travar a globalização e a atingir o modelo de negócios de empresas como a Intel e a AMD.

Actualmente, a produção de semicondutores da China representa apenas 5% da procura global com produtos que ainda imitam normalmente a tecnologia ocidental de forma inepta. Por exemplo, os fabricantes da União Europeia ainda detêm duas vezes a quota de 10% da China no mercado global de chips. O Reino do Meio, contudo, não quer aceitar docilmente uma posição de dependência. Em 2020, a China gastou 350 mil milhões de dólares em importações de semicondutores, um montante que excedeu os gastos com importações de petróleo. Os chineses estão a trabalhar num método alternativo de produção de chips de terceira geração, misturando nitreto de gálio com carboneto de silício, o que poderia potencialmente envolver uma escala de produção mais fácil e um desempenho do chip. Em 2025, os gastos chineses em avanços tecnológicos poderão atingir os 1,5 triliões de dólares, com a parte de leão desse montante a ir para o mercado de semicondutores. Até 2025, a China também planeia aumentar a produção interna o suficiente para cobrir completamente as suas próprias necessidades.

Entretanto, Taiwan reconheceu que através de fricções geopolíticas, "estrangulamentos" nas cadeias de fornecimento, e a narrativa dos países de escalar a sua própria capacidade de produção, o seu papel como monopolista pode diminuir com o tempo. A União Europeia, que pretende deter uma quota de 20% do mercado mundial de chips até 2030, decidiu também expandir a sua capacidade de produção de semicondutores.  Por conseguinte, os taiwaneses, provocando ainda mais a China próxima, planeiam consolidar a produção em casa, encorajando especialistas talentosos a imigrar e apoiando empresas nacionais que constroem tecnologia para permitir a escalada da produção. 

No entanto, o CEO da TSMC Mark Liu salientou no passado que Taiwan ainda não é capaz de fabricar por si só e depende de tecnologias concebidas principalmente nos EUA. Para Taiwan, evidentemente, a cooperação com os EUA tem um preço. Através da pressão dos americanos durante a presidência de Donald Trump, a TSMC curvou-se perante ameaças de retirada dos contratos dos EUA e de suspensão das transferências de propriedade intelectual e bloqueio das exportações para Huawei, perdendo milhares de milhões de dólares em lucros e um cliente regular. Os sinais de controlo das exportações dos EUA já estavam a fluir em 2015 quando os Estados Unidos bloquearam as exportações de chips Xeon e Xeon Phi da Intel para o Reino do Meio. A Samsung da Coreia, que tem uma quota de 16% das receitas globais de semicondutores, também está a sentir uma pressão semelhante nos EUA.

 

Problemas com os laptops

Como se isso não fosse suficiente, os fabricantes norte-americanos de semicondutores AMD e Intel admitiram que a procura de computadores de secretária está a deteriorar-se. O problema é que a taxa de desaceleração da procura é mais elevada do que ambas as empresas assumiram em previsões pessimistas este Verão. A analista de mercado de semicondutores Stacy Rasgon, da Bernstein, publicou um relatório sobre uma reunião com executivos de ambos os principais fabricantes norte-americanos.  O CFO da Intel, David Zinsner, indicou que a procura de computadores se tinha deteriorado ainda mais do que o indicado pelas estimativas, o que exigia um declínio de 10% numa base anual. Foi esta previsão que a empresa fez durante a época de lucros em Julho que aprofundou a venda de acções. Zinser salientou que as razões para o enfraquecimento do mercado são principalmente as vendas mais baixas na China e o difícil ambiente macroeconómico através do qual a procura de novas tecnologias está a abrandar. Contudo, o director não se sentiu tentado a actualizar a previsão.  Recorde-se que ainda em Abril, a Intel previu uma recuperação no mercado de PCs, no segundo semestre do ano, da qual se retirou após os resultados do segundo trimestre. De acordo com as estimativas da IDC Technologies, os carregamentos de PCs a nível mundial caíram 15%, a partir de 2021. 

A Bernstein também se encontrou com Dan McNamara, director da divisão de negócios da AMD. McNamara confirmou também que a procura actual de PCs está a diminuir e que as perspectivas de crescimento são ainda mais fracas do que o esperado.  A AMD projectou optimisticamente uma queda de 1,5% na procura de componentes para computadores pessoais no ano passado. O director do fabricante do chip revelou que o declínio será maior. Olhando para a Intel, a situação não deverá ser surpresa. Ambas as empresas, com uma só voz, dizem que o mercado de PCs é ainda mais fraco do que as suas já 'pessimistas' expectativas assumidas. 

O sucesso a todo o custo

Apesar da turbulência no mercado global, a Intel indicou uma data para o lançamento do seu chip processador da 13ª geração 'Raptor Lake', que tem sido anunciado há quase 2 anos. A apresentação terá lugar a 27 de Setembro, como parte da conferência 'Intel Innovation', que será iniciada pelo CEO da empresa, Pat Glesinger. O chip, que está a ser desenvolvido pela Intel em conjunto com o MSI de Taiwan como resultado do overclocking de potência, atingiu 8GHz contra a base 6GHz e bateu um recorde mundial entre os processadores. Contudo, o preço das unidades da nova geração pode ser até $140 mais elevado do que o anterior (as estimativas apontam para cerca de $550), deixando ainda em aberto a questão da procura face à recessão económica. Com o lançamento, porém, a Intel confirmou a sua capacidade de fornecer as unidades tecnologicamente mais eficientes, ultrapassando o poder da série Ryzen 7000 da rival AMD. Recentemente, o negócio da Intel sofreu também um rude golpe por parte da Apple, que abandonou os produtos da empresa e mudou o seu fornecedor de semicondutores para o fabricante ARM, com sede no Reino Unido, que foi adquirido pela Apple em 2020 por 40 mil milhões de dólares. A empresa começa agora a competir com a Apple no mercado dos minicomputadores, e lançou um modelo NUC 12 Enthusiast equipado com os seus próprios componentes de última geração, a um preço duas vezes superior ao preço de um Mac Studio da "empresa com uma maçã". No entanto, isto provavelmente não será suficiente para evitar um período de turbulência no mercado de chips.

A deterioração do mercado de desktop e os problemas com restrições à exportação para a China, que tem sido o maior importador de chips até à data, estão obviamente a perder as acções da Advanced Micro Devices (AMD.US) Micron Technology (MU.US) e Taiwan Semiconductor (TSMC.US). 

Gráfico Intel (INTC.US), período de tempo W1.
As acções da empresa inverteram uma tendência de alta de vários anos em 2022, e o preço em Janeiro caiu drasticamente abaixo da média móvel de 200 períodos, que tinha sido suportadas pelo limite inferior da estrutura.
O RSI está em valores dos últimos 14 anos.  Apesar das difíceis condições económicas, a Intel anunciou a 16 de Setembro um dividendo aos accionistas de $0,365 por acção trimestral, que se traduzirá em $1,36 numa base anualizada. Na avaliação actual das acções, o dividendo é de cerca de 2,5% do seu valor. Fonte: xStation5

Este material é uma comunicação de marketing na aceção do artigo 24.º, n.º 3, da Diretiva 2014/65 / UE do Parlamento Europeu e do Conselho, de 15 de maio de 2014, sobre os mercados de instrumentos financeiros e que altera a Diretiva 2002/92 / CE e Diretiva 2011/61/ UE (MiFID II). A comunicação de marketing não é uma recomendação de investimento ou informação que recomenda ou sugere uma estratégia de investimento na aceção do Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho de 16 de abril de 2014 sobre o abuso de mercado (regulamentação do abuso de mercado) e revogação da Diretiva 2003/6 / CE do Parlamento Europeu e do Conselho e das Diretivas da Comissão 2003/124 / CE, 2003/125 / CE e 2004/72 / CE e do Regulamento Delegado da Comissão (UE ) 2016/958 de 9 de março de 2016 que completa o Regulamento (UE) n.º 596/2014 do Parlamento Europeu e do Conselho no que diz respeito às normas técnicas regulamentares para as disposições técnicas para a apresentação objetiva de recomendações de investimento, ou outras informações, recomendação ou sugestão de uma estratégia de investimento e para a divulgação de interesses particulares ou indicações de conflitos de interesse ou qualquer outro conselho, incluindo na área de consultoria de investimento, nos termos do Código dos Valores Mobiliários, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 486/99, de 13 de Novembro. A comunicação de marketing é elaborada com a máxima diligência, objetividade, apresenta os factos do conhecimento do autor na data da preparação e é desprovida de quaisquer elementos de avaliação. A comunicação de marketing é elaborada sem considerar as necessidades do cliente, a sua situação financeira individual e não apresenta qualquer estratégia de investimento de forma alguma. A comunicação de marketing não constitui uma oferta ou oferta de venda, subscrição, convite de compra, publicidade ou promoção de qualquer instrumento financeiro. A XTB, S.A. - Sucursal em Portugal não se responsabiliza por quaisquer ações ou omissões do cliente, em particular pela aquisição ou alienação de instrumentos financeiros. A XTB não aceitará a responsabilidade por qualquer perda ou dano, incluindo, sem limitação, qualquer perda que possa surgir direta ou indiretamente realizada com base nas informações contidas na presente comunicação comercial. Caso o comunicado de marketing contenha informações sobre quaisquer resultados relativos aos instrumentos financeiros nela indicados, estes não constituem qualquer garantia ou previsão de resultados futuros. O desempenho passado não é necessariamente indicativo de resultados futuros, e qualquer pessoa que atue com base nesta informação fá-lo inteiramente por sua conta e risco.

Partilhar:
Voltar

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 81% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.