😷 Nova estirpe do vírus ameça os mercados 😷

13:06 26 de novembro de 2021

❗ Os receios com o coronavírus voltam assombrar os mercados com a nova variante Covid identificada na África do Sul

As notícias de mais uma variante mais perigosa de Covid surpreenderam hoje os mercados. Ativos de risco como ações ou bens industriais registaram fortes quedas, enquanto que os ativos de refúgio disparavam. Os investidores voltaram-se mais uma vez para os chamados "vencedores pandémicos" e afastaram-se das empresas petrolíferas e de viagens. As quedas nos preços dos ativos durante as anteriores ondas pandémicas foram bastante breves, mas desta vez muito dependerá do facto de afectar ou não as perspectivas da política monetária.

Nova variante do coronavírus identificada na África do Sul

Uma nova variante do coronavírus que está hoje no centro das atenções foi encontrada na África do Sul. Enquanto as novas variantes de Covid estão a emergir de tempos a tempos, esta parece ser diferente, pois diz-se que é muito mais transmissível e muito mais resistente aos anticorpos. Além disso, já está difundida em toda a África do Sul e alguns casos foram relatados em países asiáticos. Como existe o risco de os tratamentos e vacinas disponíveis serem ineficazes contra esta estirpe, a ameaça de imposição de novos bloqueios parece real. Para não mencionar que numerosos países, especialmente na Europa e na Ásia, já consideraram impor restrições mais rigorosas para combater o recente aumento de casos.

Principais vencedores e vencidos

A magnitude dos movimentos de hoje nos mercados é grande e é fácil distinguir os vencedores dos vencidos nesta situação. 

O petróleo, bem como as viagens e as reservas de aviação estão a sofrer o maior golpe. Não deve ser uma surpresa, uma vez que a falta de tratamento eficaz contra uma nova variante iria provavelmente pressionar os governos a impor restrições de viagem a fim de conter ou pelo menos atrasar a propagação do vírus. Produtos energéticos, como petróleo ou gasolina, caem 5-6% e o subíndice de viagens e lazer Euro Stoxx 600 também se encintra a cair cerca de 5%.

Como os investidores começaram a posiconar-se em ativos de refúgio, como o franco suíço, o iene japonês ou o ouro, ambos os ativos estão a valorizar durante a sessão de hoje. Os investidores em ações, tentando antecipar-se a potenciais anúncios de novos bloqueios, e estão-se a focar nos chamados "vencedores pandémicos". As empresas de distribuição de alimentos, fornecedores de software "stay-at-home", bem como as ações médicas desafiam o sentimento geral de baixa e encontram-se a valorizar durante esta sessão.

O petróleo continua a cair desde que atingiu um novo máximo pós-pandémico, caindo hoje 5%. O risco de novas restrições, especialmente nas viagens, ameaça resultar numa diminuição da procura de petróleo. Fonte: xStation5

Queda nas matérias-primas - Será um alívio para a inflação?

Como é possível detectar fortes quedas nos mercados das matérias-primas, especialmente petróleo e nos metais industriais, pode-se pensar que a inflação poderá aliviar ligeiramente. No entanto, a situação não é assim tão óbvia. Recorde-se que, no início da pandemia em 2020, os preços das matérias-primas também caíram. Embora isto tenha inicialmente proporcionado algum alívio à inflação, os problemas da cadeia de abastecimento resultantes das medidas de confinamento e empurraram os preços dos produtos de base para máximos plurianuais nos meses seguintes e a imposição de novas restrições agora só poderia ampliar as questões ainda não resolvidas. Um ponto a salientar é que a primeira vaga de pandemia apanhou os mercados de surpresa e a economia global não estava de modo algum preparada para isso. A destruição maciça da procura de petróleo resultou num enorme excesso de oferta que acabou por empurrar os preços do petróleo para níveis negativos pela primeira vez na história. Neste momento, a situação é diferente. A OPEP+ desafiou os apelos dos Estados Unidos e de outros países para aumentar a oferta, uma vez que esperava que a pandemia se intensificasse no Inverno e que a mobilidade diminuísse. Afinal, os produtores de petróleo tinham razão, embora não pudessem prever novas variantes de vírus, e parecem estar agora melhor preparados para a situação.

 Fonte: Bloomberg, XTB

Lições da segunda onda pandémica e da variante delta

A queda nos preços dos ativos no início de 2020 foi sem precedentes. Os investidores ficaram completamente surpreendidos com as medidas de confinamento e apressaram-se a posicionar-se em ativos de refúgio como se o fim do mundo estivesse a chegar. No entanto, à medida que o mundo foi encontrando o seu caminho através da crise e que os mercados recuperaram rapidamente, os investidores ficaram mais sanguinários durante a segunda vaga pandémica no Outono de 2020 ou a vaga da variante Delta na Primavera de 2021. Como se pode ver nos gráficos abaixo, Nasdaq-100 (US100), DAX (DE30) e Brent (OIL) registaram movimentos muito menores do que aqueles registados durante o choque pandémico inicial. Além disso, esses mercados recuperaram quase completamente nos primeiros 30 dias de negociação após o início da segunda vaga da pandemia. Naturalmente, isto não significa que a história se vá repetir desta vez, uma vez que existem factores adicionais a considerar. O mais importante é se a situação forçará o Fed a atrasar ou não o endurecimento das políticas. No entanto, as abordagens de "buy-the-dip" têm sido muito comuns entre os investidores desde o início da pandemia e fizeram com que a pandemia diminuísse boas oportunidades de compra nos mercados.

DE30, US100 e OIL durante as primeiras 30 sessões de negociação após a segunda vaga da pandemia. Fonte: DE30, US100 e OIL: Bloomberg, XTBDE30, US100 e OIL durante as primeiras 30 sessões de negociação da onda da variante Delta. Fonte: Bloomberg

Declaração de Risco

A XTB S.A. não se responsabiliza por decisões de investimento que se baseiem em informações contidas nestes conteúdos. Nenhuma da informação aqui contida deverá ser entendida como recomendação de investimento, garantia de lucro ou de risco significativamente menor. Os investimentos baseados no uso de produtos derivados com alavancagem financeira são, por natureza, especulativos e poderão resultar tanto em lucros como perdas significativas. Esteja ciente de que dados de desempenho anteriores não são um indicador fiável de desempenho futuro.

Partilhar:
Voltar

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 72% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.

Os CFD são instrumentos complexos e apresentam um elevado risco de perda rápida de dinheiro devido ao efeito de alavancagem. 72% das contas de investidores não profissionais perdem dinheiro quando negoceiam CFD com este distribuidor. Deve considerar se compreende como funcionam os CFD e se pode correr o elevado risco de perda do seu dinheiro.